Pin It button on image hover

Container: O Aliado dos Hotéis e do Turismo

O segmento hoteleiro é um excelente mercado no Brasil e o potencial da arquitetura em containers para este ramo empreendedor é de excelente custo x benefício.



Não é de agora que sofremos um "apagão hoteleiro" no Brasil e não estou falando por causa de Copa do Mundo ou Olimpíadas. A necessidade de acabar com o tal "apagão" é porque precisamos de mais hotéis urbanos pelos absurdos cobrados pelas diárias dos grandes centros, isto é falta de oferta (não apenas custos). Isto esta mais do que noticiado mundo afora, os hotéis brasileiros cobram valores surreais. 

Temos também a situação deplorável de diversos pontos turísticos que possuem estruturas de hotéis e pousadas calamitosas. O Brasil é um país turisticamente farto. Muitos terrenos nestes locais são bastante acessíveis, o que torna o investimento em container uma excelente alternativa. Seja pela sua modularidade (que o torna portátil), apelo ecológico e "n" possibilidades de customização. 

Segundo um estudo publicado em 29/04/11 no caderno de Economia da Veja digital, os itens abaixo são os que mais atrapalham o investimento no setor (os comentários são da Container SA):

1º - Faltam terrenos: o boom imobiliário brasileiro que vem acontecendo a um bom tempo e que tem tendência de crescimento por mais alguns anos, é um vilão. Encontrar áreas de grande porte para acomodar mega hotéis é um fator complicado, ainda mais pelos altíssimos valores (imagine o payback).

Solução: utilizar áreas menores, em diversos pontos da cidade e criar uma malha de hotéis e pousadas de pequeno e médio porte, com quantidades menores de quartos. Os terrenos podem ser até alugados, com contratos de longo prazo. Se a localização se demonstrar inviável, basta realocar os equipamentos em outra área ou transformar em qualquer outro empreendimento.


2º - Especulação imobiliária: em grandes centros, como os de São Paulo e Rio de Janeiro, que possuem o m² com valores absurdos entre R$ 8 mil a R$ 13 mil sobram para poucos corajosos os investimentos ainda que sejam nos melhores terrenos. O investidor prefere o segmento residencial e comercial, que lhe conferem maiores retornos, do que a hotelaria.

Solução: idem acima. O negócio é ser criativo. Economizar com terrenos e com o sistema de construção com containers, em contrapartida, deve-se oferecer um pacote de serviços atrativo para o consumidor para compensar qualquer desconforto em relação à localização.

3º - Burocracia que custa caro: só em "burrocracia" para construir um hotel de grande porte, leva-se em torno de 411 dias no Brasil. Boa parte é em função do processo de liberação de equipamentos para a obra.

Solução: a arquitetura com container possui uma engenharia estrutural incrível, podemos citar um exemplo de sucesso a enorme rede de hotéis Travelodge que tem investido neste sistema construtivo. Em Amsterdam também fizeram uma espécie de hotel estudantil temporário. Como o hotel é construído em módulos, ou seja, são customizados em linha de montagem industrial, eliminam-se as "mazelas" da construção civil. O tempo de construção é 60% mais rápida e pode ser movimentado para onde quiser!

4º - Falta de financiamento de longo prazo: depois da liberação, um hotel de grande porte leva entre dois a três anos para ser concluído e muito mais tempo para retornar o investimento. Haja fluxo de caixa para manter o hotel e pagar o financiamento (que acaba virando "curto prazo") de linhas como o BNDES.

Solução: o governo deve investir em soluções ecológicas e que incentive o empreendedorismo de pequenos e médios empresários, onde estão 90% das empresas brasileiras e 60% da mão-de-obra. A arquitetura em container, além de ser mais barata, não precisa imobilizar terreno, o que pode tornar o financiamento mais acessível, pois trata-se de um equipamento que pode ser revendido e realocado posteriormente, independente do terreno. Com que construção poderia fazer isto no mundo?! Reaproveitar um prédio inteiro, que pode se transformar em apartamentos residenciais, salas comerciais, centro comercial, escola, etc, etc, etc.

Obviamente que este artigo não está querendo estimular o mega-ultra-empreendedor-investidor do ramo de hotelaria (ou os "Eike Batistas", amiguinhos de Brasília) e sim, os pequenos e médios empreendedores. Dispostos a buscar o seu espaço neste excelente segmento dos serviços na qual temos carência e muitas oportunidades, tanto em questão de preços mais acessíveis, quanto à exploração turística de novos lugares ou mesmo na melhoria das já existentes.

Se você ficou interessado em hotéis e pousadas em container, não deixe de conferir: 

Um comentário: